Jornal de Itatiba Portal de notícias de Itatiba

Menu
Economia
Por Agência Estado

Taxas fecham em queda apesar de preocupações com risco fiscal pós pandemia

Por Agência Estado

Os juros futuros de médio e longo prazos, aproveitando uma janela de oportunidade de melhora do câmbio entre 15h30 e 16h, terminaram a sessão regular em queda, após passarem o dia de lado, com discreto sinal de baixa.

A ponta curta fechou estável.

No mais, esta terça-feira, 19, foi de liquidez fraca e pouca movimentação nas taxas, com o mercado monitorando a discussão sobre antecipação dos feriados em São Paulo e sobre os riscos fiscais pós pandemia - que dominaram as reuniões de analistas com diretores do Banco Central -, além do exterior.

Apesar do comportamento relativamente tranquilo hoje, a curva permanece com inclinação relevante, acima de 5 pontos porcentuais entre os principais contratos da ponta curta e longa. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021 fechou a sessão regular em 2,525%, ante 2,533% ontem no ajuste, a do DI para janeiro de 2022 passou de 3,421% para 3,39%.

A taxa do DI para janeiro de 2027 caiu de 7,673% para 7,61%.

O diferencial entre os DIs janeiro de 2027 e janeiro de 2021 fechou hoje em 509 pontos-base, ante 513 pontos ontem e 525 na sexta.

Na etapa estendida, as taxas já mostravam viés de alta. Após o forte fechamento ontem das taxas, a expectativa era de algum ajuste nesta terça-feira, até em função da instabilidade no câmbio, mas a curva manteve-se relativamente tranquila.

"Depois da melhora toda de ontem, achei que ia dar uma realizada", disse a gestora de renda fixa da MAG Investimentos, Patricia Pereira, lembrando ainda de fatores que recomendam cautela, como o pico da pandemia no Brasil e as preocupações fiscais, com o temor de que os benefícios dados pelo governo se tornem permanentes após a crise. A preocupação com a trajetória fiscal foi o principal ponto de discussão nos encontros do BC com analistas hoje, realizados por teleconferência.

Segundo fontes, os profissionais alertaram para o risco de dominância fiscal, com possível perda de efetividade da política monetária e aumento da inflação.

"É consensual que o BC teria espaço para a reversão da política monetária acomodatícia sem ser de forma drásticas, mas o que 'pega' é a dúvida sobre se os programas emergenciais serão retirados depois da crise.

O teto de gastos precisa voltar.

Do contrário, a trajetória da divida fica insustentável e isso faz inclinar a curva do DI", diz um gestor. Em relação à discussão sobre a antecipação dos feriados em São Paulo, Jefferson Lima, gerente da Mesa de Reais da CM Capital Markets, afirma que o tema trouxe apreensão mais por causa das questões operacionais, de liquidação de contratos, e também a investidores que "operam a volatilidade de ativos".

"Dias seguidos parados aqui enquanto o mercado lá fora corre normalmente pode trazer prejuízo a este tipo de players, mas no DI não fez preço", disse. A B3 confirmou que o mercado terá funcionamento normal nos próximos dias 20, 21, 22 quando a prefeitura antecipou feriados e decretou um dia de ponto facultativo, medida para tentar conter o avanço do coronavírus.

tópicos

Não conseguimos enviar seu e-mail, por favor entre em contato pelo e-mail

Entendi