Jornal de Itatiba Portal de notícias de Itatiba

Menu
Notícias
Por Agência Estado

Saúde bucal ajuda a prevenir covid-19, alerta periodontista

Por Agência Estado

Um estudo de março de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) descobriu, pela primeira vez, a presença do coronavírus na gengiva de pacientes que, depois, vieram a morrer.

Publicada no Journal of Oral Microbiology, a descoberta abre caminho para ligar a saúde bucal à presença da covid-19 na saliva de pessoas infectadas.

"As doenças periodontais são uma agravação para todo o corpo", afirma Sérgio Mauro Giorgi.

Doutor em Periodontia e ex-professor da Faculdade de Odontologia da USP, ele explica como a saúde bucal pode influenciar todo o restante do corpo humano, causando desde doenças pulmonares e cardiológicas até o agravamento da covid-19.

Para Giorgi, isso comprova quão necessária é a higiene oral adequada e focada em cada paciente.

Ele explica que, através da boca, vírus como o Sars-CoV-2, a herpes e uma infinidade de bactérias podem ser transmitidos para a corrente sanguínea e piorar quadros já graves de outras doenças.

Amostras recolhidas em pesquisas nos EUA apontam a presença de uma bactéria que só existe na boca, a Porphyromonas gingivalis, no cérebro de pessoas que morreram de covid e de Alzheimer. "Como ela foi para o cérebro?", indaga.

Nesta entrevista, Giorgi, que integra a American Academy of Periodontology, a American Dental Association e a New York Academy of Sciences, relata os principais cuidados a serem tomados na saúde bucal e o efeito da pandemia na boca dos brasileiros.

O que a descoberta do Sars-CoV-2 na gengiva de pacientes significa, na prática? Isso pode acontecer quando a manutenção da higiene da boca não é bem desenvolvida pelo paciente.

O pessoal da Medicina achou que o tecido gengival pode ser um alvo da doença e contribuir para a presença do vírus até na saliva.

Quando o microbioma oral sofre um desequilíbrio, a boca ou o sistema imunológico não consegue proteger a superfície oral apenas com os dentes.

Quando esse microbioma está desequilibrado ocorre o que chamamos de disbiose, que impede uma resposta do próprio sistema imunológico.

Daí a importância de cirurgiões dentistas criarem protocolos individuais, de acordo com o paciente. O que seriam esses protocolos individuais de higiene oral? Às vezes, com a idade, o paciente perde a motivação para manter a higiene oral.

É comum cirurgiões dentistas serem treinados para, nas UTIs, verificar a saúde bucal dos pacientes. O que a má higiene da boca pode acarretar para o ser humano, além das cáries? Amostras colhidas em pesquisas nos Estados Unidos apontam a presença de uma bactéria que só existe na boca, a Porphyromonas gingivalis, no cérebro de pessoas que vieram a óbito de covid e de Alzheimer.

Como ela foi para o cérebro? Isso provavelmente tem a ver com a saúde bucal do paciente.

Não à toa se criou a medicina periodontal, porque hoje já entendemos que as doenças periodontais podem ser uma agravação para todo o corpo.

O dentista passou a ter uma certa importância na saúde geral do ser humano.

As doenças periodontais estão associadas a enfermidades como doença coronariana, hepática não alcoólica, doença renal, distúrbios pulmonares e a esclerose, além de contribuírem para cânceres da cavidade oral e outras inflamações.

Por isso é importante manter o microbioma oral sempre equilibrado.

Quais os principais sinais de um problema na saúde bucal? O mais importante é ser aconselhado por um profissional.

A doença gengival é perigosa em idosos - mais de 70% dos adultos com 65 anos ou mais têm periodontite, que afeta os ossos e enfraquece as fibras colares que unem dentes ao osso.

Isso provoca o enfraquecimento do sistema imunológico.

Além da escovação, o que pode ser feito para manter a saúde oral em dia? Antes de escovar os dentes, o interessante é fazer uma limpeza prévia, com fio dental e limpadores interdentais.

Só com esse procedimento você já evita 70% das doenças periodontais.

Mas a escovação e o fio dental tradicionais podem não ser suficientes para afastar as doenças da gengiva e da boca.

Outra coisa importante é escovar a língua, principalmente o dorso.

E evitar o compartilhamento de objetos com pessoas contaminadas.

Por quanto tempo se deve tomar esses cuidados? Essas medidas devem ser levadas para o restante da vida.

A qualquer momento, as pessoas podem ser infectadas.

Também é importante a forma correta de cuidar de escovas e higienizadores.

O ideal é mantê-los imersos em água e enxaguante bucal, com clorexidina, que são bactericidas.

Nosso mercado ainda não tem isso, mas nos EUA existem pastilhas que você tritura na boca após a escovação matinal e elas liberam bactérias vivas e "boas", os probióticos orais. As informações são do jornal O Estado de S.

Paulo.

tópicos

Não conseguimos enviar seu e-mail, por favor entre em contato pelo e-mail

Entendi

Nós usamos cookies

Eles são usados para aprimorar a sua experiência. Ao fechar este banner ou continuar na página, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

Aceitar todos os cookies