Jornal de Itatiba Portal de notícias de Itatiba

Menu
Esportes
Por Agência Estado

País supera os 200 mil casos e é 6º no mundo

Por Agência Estado

O Brasil ultrapassou nesta quinta-feira, 14, a marca de 200 mil casos confirmados pelo novo coronavírus.

Foram registradas 13.944 novas infecções nas últimas 24 horas - são 202.918 no total.

O número de óbitos passou de 13.149 para 13.993, com o acréscimo dos 844 novos casos registrados pelo Ministério da Saúde - o recorde é de 881 em 24 horas.

O País é o sexto do mundo com mais casos confirmados.

Atrás apenas de Estados Unidos (1.452.381), Espanha (272.646), Rússia (252.245), Reino Unido (233.151) e Itália (223.096), considerando números de ontem até 19h.

"E devemos passar quase todos esses países em breve", afirmou Jamal Suleiman, infectologista do hospital Emílio Ribas. O pessimismo em relação ao Brasil se deve à falta de uma política integrada de combate.

"Existe uma diferença com relação à forma de combate à covid-19.

São comandos antagônicos, inclusive.

E isso é um grande problema.

Enquanto a gente vê o mundo de certa maneira unificado com informações claras, aqui às vezes parece desconectado da realidade." O exemplo disso é o decreto feito pelo presidente Jair Bolsonaro que incluiu academias, salões de beleza e barbearias como atividades essenciais, portanto, liberadas para abrirem as portas em meio à pandemia.

O governo e a Prefeitura de São Paulo foram contrários à medida.

"Quando tem esse tipo de dicotomia, acontece de a pessoa ouvir aquilo que for mais confortável", disse Suleiman. A disputa política também acaba colocando a população em risco.

Suleiman contou que há algumas semanas uma pessoa entrou no Emílio Ribas dizendo que precisava de uma consulta, mas na verdade queria apenas gravar a sala de espera.

"Ele filmava com o celular e dizia, aos berros, que a doença era uma farsa, que o lugar estava vazio.

Mas era óbvio que a sala de espera estava fazia.

A sala de espera de um hospital que trata doenças infectocontagiosas precisa sempre estar vazia.

O doente entubado não está ali na sala de espera." Testes Outro número que traz preocupação no Brasil é a falta de testes feitos na população.

Enquanto que os Estados Unidos já testaram mais de 10 milhões de pessoas, o Brasil realizou somente pouco mais de 735 mil.

"O teste em larga escala é fundamental para identificar como circula o vírus.

Sem isso não há como precisar quando chegaremos ao fim dessa pandemia", afirmou Suleiman. Para o pesquisador do Instituto de Física Teórica da Unesp, Roberto Kraenkel, as decisões políticas estão atreladas a qualquer prognóstico sobre a doença.

"Não tem como prever o que vai acontecer somente com números, porque não temos controle das decisões dos políticos ou se a população vai aderir ou não ao isolamento." Na avaliação de Paulo Lotufo, epidemiologista e professor de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP, não é possível precisar quando será o pico da pandemia no País.

"Você vai saber realmente (identificar) o pico quando ele passar, quando os números começarem de fato a cair", afirma.

De acordo com a previsão do Ministério da Saúde, o Brasil deve atingir o pico da doença entre este mês e julho.

"E não existe um único fenômeno acontecendo, são vários.

Tem lugares onde o contágio é menor e lugares onde é maior.

Onde o sistema hospitalar consegue dar vazão aos casos graves, você tem menos mortes", diz.

As informações são do jornal O Estado de S.

Paulo.

Não conseguimos enviar seu e-mail, por favor entre em contato pelo e-mail

Entendi