Jornal de Itatiba Portal de notícias de Itatiba

Menu
Notícias
Por Bianca

Números sugerem mudanças no cenário da pandemia

Aumento nas internações sugerem mudança de cenário da pandemia na RMC

Por Bianca

Foto: Lucas Selvati

 

Da Redação

 

A taxa de novos casos na Região Metropolitana de Campinas (RMC) avançou 384% na 46ª Semana Epidemiológica correspondente ao período dos últimos dias 8 a 14. Apesar das distorções causadas pelos números represados, o aumento de 18% nas internações no Estado de São Paulo, e de 19% no Departamento Regional de Saúde de Campinas (DRS-Campinas), sugere mudanças no cenário da pandemia.

Embora imprecisos para fins de análise sobre o comportamento da doença, os dados observados pelo Observatório PUC-Campinas mostram que o aumento de 384,5% na RMC, resultante de 2,8 mil novas infecções no período, foi também evidenciado no DRS – Campinas, que manifestou alta de 350,8% depois de contabilizar 3.859 contaminações.

 

Panorama da pandemia

 

Para o infectologista da PUC – Campinas, dr. André Giglio Bueno, a criação de uma base de dados municipal com estatísticas de atendimentos diários assintomáticos respiratórios em unidades de pronto atendimento, bem como de internações por suspeita de covid-19, ajudaria a entender o panorama da pandemia em tempo real. Ele diz, contudo, que não há como ignorar o crescimento das hospitalizações em todo o Estado, levantando indícios sobre o avanço do vírus nos próximos meses.

“Devemos, portanto, seguir recomendando o máximo rigor na adesão às medidas de prevenção, como distanciamento físico, utilização de máscaras, higiene adequada das mãos e de superfícies, além de evitar exposição em ambientes fechados e com pouca ventilação”, reforça André Giglio.

 

Economia

 

Do ponto de vista econômico, a possibilidade de uma segunda onda gera preocupações, uma vez que a atividade econômica e o mercado de trabalho ainda sentem prejuízos iniciais da pandemia. Na comparação com o ano passado, os setores da Indústria e de Serviços apresentam quedas de 7,2% e 8,8%, respectivamente. O comércio, que atingiu os patamares do ano passado, sobretudo após a reabertura dos estabelecimentos, teme novos efeitos negativos em caso de recuo nas medidas de flexibilização para o funcionamento das atividades comerciais.

De acordo com o economista da PUC – Campinas, Paulo Oliveira, o possível avanço do vírus assusta ainda os trabalhadores acometidos pelo fechamento de vagas e diminuição de oferta de postos de trabalho no decorrer do ano. Apesar da geração positiva nos últimos três meses, o saldo de empregos na RMC em 2020 segue negativo em 19,4 mil postos, segundo o Cadastro Geral de Empregos e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia.  

tópicos

Não conseguimos enviar seu e-mail, por favor entre em contato pelo e-mail

Entendi